Domingo, 8 de Junho de 2014

AS FAMOSAS MULTINACIONAIS

 

A partir dos anos 50 do último século, os países chamados industrializados na sequência do grande desenvolvimento tecnológico entram numa produção espantosa, surgindo as famosas multinacionais. São elas que na procura de mão-de-obra barata invadem os países nessas condições como o nosso, mas de qualquer modo fazem chegar os seus produtos a todo o mundo.

Chegam a Portugal instalando-se principalmente na periferia das grandes cidades. É assim que os trabalhadores do interior abandonam as terras, as suas casas e os seus hábitos de vida e rumam em busca do emprego para sustento da família que tinham ou esperavam vir a ter. Ao menos, tais multinacionais, trouxeram para muitos trabalhadores qualificações técnicas de assinalar.

Os bairros de barracas, além de degradantes, eram uma vergonha para uma sociedade e um país dito europeu!

Este fenómeno de chegada de gente às grandes cidades arrasta, em si, um grande desenvolvimento da construção civil na qual muitas dessas pessoas irão trabalhar, deixando a enxada. A agricultura havia entrada em crise.

Por exemplo Lisboa e Porto continua a cresceram desordenadamente, submergindo a ritmo avassalador as zonas verdes das vizinhanças, transformando pacatas aldeias em cidades-dormitórios, multiplicando-se para além dos planos de urbanização, levando os problemas da cidade aonde o campo era verde e fértil, sem um mínimo aceitável de estruturas de base, de orientação - sequer de fiscalização.

Aconteceu um pouco por todos os lados por onde a cidade tendia a expandir-se.

Igualmente a muitos jovens do interior, de ambos os sexos, já com cursos secundários, acontecia o mesmo. Em conformidade com os proventos do trabalho, uns iriam habitar modestos apartamentos na periferia das grandes cidades, outros em desespero faziam uma barraca de madeira num qualquer terreno e sem o mínimo de condições aí iriam passar anos com a família anos a fio.

É certo que o custo de vida era barato antes do 25 de Abril de 1974, um café custava 14 tostões e o jornal apenas um escudo. Um automóvel novinho em folha chegava aos 65 contos (300.euros!) e caro mesmo só a gasolina que, na altura, cifrava-se nos sete escudos.

Barato ficava também uma ida ao cinema: apenas cinco escudos. O bilhete mais caro chegava à quantia de 7$50. O mesmo custava tomar um bom pequeno-almoço no café da esquina, com direito a sumo de laranja e croissant com fiambre. Já fumar era vício que ficava barato. Um maço de SG Gigante custava 6$50.

Os professores recebiam no final do mês cerca de três contos e quinhentos. Mas um docente efetivo podia chegar aos sete contos por mês. Uma quantia razoável, se pensarmos que o aluguer de uma casa nova custava cerca de dois contos.

 

publicado por luzdequeijas às 14:21
link | comentar | favorito

.Fevereiro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28


.posts recentes

. O CONCEITO DE SERVIÇO PÚB...

. MUDAR SÓ POR MUDAR.

. CENTRO DE DIA DE QUEIJAS

. ALMOÇO MUITO INDIGESTO

. FUMO BRANCO E NEGRO

. ENDIVIDAMENTO PÚBLICO E P...

. A POLÍTICA COR-DE -ROSA

. OS QUATRO IMPÉRIOS

. O ASSOCIATIVISMO

. DOUTOR DA MULA RUÇA

. A CLASSE MAIS CASTIGADA

. AS VITIMAS DA CIGARRA

. O NOSSO ENTARDECER

. A SACRALIDADE DA PESSOA H...

. SABER TUDO ACERCA DE NADA

. A NOSSA FORCA

. A MORTE ECONÓMICA

. GERAÇÃO DE OURO

. OS TEMPOS ESTÃO A MUDAR

. SEDES DE RENOVAÇÂO “

. 200 000

. DO PÂNTANO A SÓCRATES

. O ESTADO PATRÃO

. A MENTIRA

. O SILÊNCIO DOS BONS

. ARMAR AO PINGARELHO

. ENSINO À DISTÂNCIA

. A CIÊNCIA DO BEIJO

. A VERDADE PODE SER DOLORO...

. COSTA V.S MERKEL

. PROTEGER O FUTURO

. RIQUEZA LINCUÍSTICA

. A MÃO NO SACO

. DOUTRINA SOCIAL CRISTÃ

. GRANDE SOFRIMENTO

. IMAGINEM

. LIBERDADE COM SEGURANÇA

. COSTA CANDIDATO

. DEBATES PARTIDÁRIOS NA TV

. NA PÁTRIA DO ÓDIO

. PORTUGAL, UM PAÍS DO ABSU...

. NÓS, NÃO “PODEMOS”

. CIVILIZAÇÃO Pré-histórica...

. AS REGRAS DA VIDA REAL

. UMA SAUDÁVEL "LOUCURA"

. UMA SOCIEDADE SEM "EXTRAV...

. O MUNDO DOS ANIMAIS

. A CRISE NO OCIDENTE

. O POVOADO PRÉ-HISTÓRICO D...

. AS INTRIGAS NO BURGO (Vil...

.arquivos

. Fevereiro 2018

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Março 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

.favorito

. COSTA V.S MERKEL

. MANHOSICES COM POLVO, POT...

. " Tragédia Indescritível"

. Sejamos Gratos

. OS NOSSOS IDOSOS

. CRISTO NO SOFRIMENTO

. NOTA PRÉVIA DE UM LIVRO Q...

. SEMPRE A PIOR

. MEDINDO RIQUEZAS

. A LÁGRIMA FÁCIL

.mais sobre mim

.pesquisar

 
blogs SAPO

.subscrever feeds