Domingo, 25 de Janeiro de 2009

LEMBRAM-SE ?

O curso do discurso


Segundo alguns órgãos de comunicação social, a grande novidade do discurso de António Guterres na Doca de Faro teria sido o anúncio da sua candidatura às próximas eleições legislativas. Se assim foi, trata-se, em primeiro lugar de uma novidade sabida e, em segundo lugar, da única novidade desvendada em todo o discurso.
Na verdade, é difícil acreditar que alguém estivesse à espera de Guterres ir à Doca de Faro anunciar a sua intenção de avançar para a presidência da Comissão Europeia e também não se afigurava credível a hipótese de o líder do PS omitir essa questão no seu discurso. Ou seja: o que era previsível, inevitável mesmo, foi o que aconteceu. De resto, o curso do discurso foi o previsto e esperado: o engenheiro Guterres não disse nada de novo. Repetiu-se na super valorização da política de direita que tem vindo a praticar e na exposição das qualidades e virtudes do seu governo. Ao fim e ao cabo, repetiu-se e repetiu, na Doca, o que o então Primeiro Ministro Cavaco Sikva disse, repetidas vezes, no Pontal.

Foi assim que ouvimos pela enésima vez as referências à "confiança", ao "desenvolvimento", à "solidariedade", à "estabilidade" e assistimos, até, à insólita repescagem do mais que estafado "pelotão da frente". Foi assim, igualmente, que ouvimos o Primeiro Ministro discorrer sobre uma realidade virtual, sobre um país que só existe no seu discurso. Foi assim que ouvimos o engenheiro Guterres falar de Portugal como se Portugal não fosse, na União Europeia, o país onde os salários são mais baixos, onde o salário mínimo nacional é o mais baixo, onde as pensões e reformas são as mais baixas - como se Portugal não fosse, na UE, o país onde é maior o fosso entre ricos e pobres, e como se esta realidade não resultante da política de direita que quer o Ps quer o PSD têm vindo a praticar.
Neste discurso a dois que já entrou na sua segunda década e que tem, como traço comum essencial, complementar o auto elogio com a solene afirmação de fé de que "é preciso fazer ainda mais e melhor", talvez Guterres tenha superado Cavaco no número de referências a esta seguna parte. O que em nada favorece, antes pelo contrário, o actual Primeiro Ministro.

Como para Cavaco, também para Guterres a "estabilidade" é uma espécie de menina dos olhos - significando tal coisa para ambos terem as mãos livres para fazerem o que quiserem.
É uma evidência que as repetidas alusões de António Guterres à "estabilidade", estão a anos luz de distância do pressuposto de que a verdadeira estabilidade é a que decorre da resolução dos problemas e dos anseios da maioria dos portugueses e do respeito pelos seus direitos e interesses. Na realidade, quem se prepara para avançar com avançar com alterações à legislação laboral que configuram uma das maiores machadadas de sempre nos direitos dos trabalhadores, pensa numa determinada "estabilidade": numa "estabilidade" ao serviço do grande capital, numa "estabilidade" que permita ao grande patronato intensificar a exploração dos trabalhadores. Da mesma forma que quem avança com um processo de privatizações que entrega aos grandes grupos económicos, a preços de saldo, todas as empresas públicas rentáveis, em muitos casos utilizando métodos e práticas de mais que duvidosa transparência - é nessa "estabilidade" que está a pensar.
Assim, a "estabilidade" invocada pelo engenheiro Guterres é, acima de tudo, um semear de ventos que, mais tarde ou mais cedo, o obrigarão a colher as inevitaveis tempestades.

A total ausência de novidades - sempre em similitude com o discurso laranja - ficou igualmente patente na abordagem do Primeiro Ministro à questão do Orçamento de Estado. Ouvindo-o, no sábado passado, dir-se-ia estarmos a ouvi-lo há um , há dois, há três anos. "Não dramatizando", como é seu hábito, ameaçou que, caso se forme na Assembleia da República uma "coligação negativa que desvirtue a proposta governamental", "vai mesmo dramatizar". Se assim for, "que cada um assuma as suas responsabilidades" - desafiou, dialogante e conciliador. E sempre sem "dramatizar", sempre garantindo que "não faremos chantagem com os portugueses", considerou que "é legítimo exigir que os três partidos da oposição, tão diferentes entre si, não façam uma coligação negativa para desvirtuar a Orçamento de Estado", lembrando que na discussão dos orçamentos de 96, 97 e 98 "tivemos oportunidade de provocar uma ruptura, as sondagens davam-nos maioria absoluta, e não o fizemos"...
É claro que Guterres sabe que a aprovação do Orçamento de Estado - hoje como no passado - é tarefa da exclusiva responsabilidade dos partidos defensores da política que esse Orçamento serve, oe seja, do PS, do PSD e do PP. E sabe também que o PCP nunca foi nem será ajudante de um governo - seja ele laranja, ou rosa, ou de qualquer outra cor ou mistura de cores - que aplique essa política de direita.

Finalmente, e pensando bem ... novidade, mesmo novidade, houve uma na Doca de Faro: a substituição de Vangelis por Quim Barreiros como referência musical do PS. O seu a seu dono.


publicado por luzdequeijas às 17:35
link | favorito
Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

.Fevereiro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28


.posts recentes

. O CONCEITO DE SERVIÇO PÚB...

. MUDAR SÓ POR MUDAR.

. CENTRO DE DIA DE QUEIJAS

. ALMOÇO MUITO INDIGESTO

. FUMO BRANCO E NEGRO

. ENDIVIDAMENTO PÚBLICO E P...

. A POLÍTICA COR-DE -ROSA

. OS QUATRO IMPÉRIOS

. O ASSOCIATIVISMO

. DOUTOR DA MULA RUÇA

. A CLASSE MAIS CASTIGADA

. AS VITIMAS DA CIGARRA

. O NOSSO ENTARDECER

. A SACRALIDADE DA PESSOA H...

. SABER TUDO ACERCA DE NADA

. A NOSSA FORCA

. A MORTE ECONÓMICA

. GERAÇÃO DE OURO

. OS TEMPOS ESTÃO A MUDAR

. SEDES DE RENOVAÇÂO “

. 200 000

. DO PÂNTANO A SÓCRATES

. O ESTADO PATRÃO

. A MENTIRA

. O SILÊNCIO DOS BONS

. ARMAR AO PINGARELHO

. ENSINO À DISTÂNCIA

. A CIÊNCIA DO BEIJO

. A VERDADE PODE SER DOLORO...

. COSTA V.S MERKEL

. PROTEGER O FUTURO

. RIQUEZA LINCUÍSTICA

. A MÃO NO SACO

. DOUTRINA SOCIAL CRISTÃ

. GRANDE SOFRIMENTO

. IMAGINEM

. LIBERDADE COM SEGURANÇA

. COSTA CANDIDATO

. DEBATES PARTIDÁRIOS NA TV

. NA PÁTRIA DO ÓDIO

. PORTUGAL, UM PAÍS DO ABSU...

. NÓS, NÃO “PODEMOS”

. CIVILIZAÇÃO Pré-histórica...

. AS REGRAS DA VIDA REAL

. UMA SAUDÁVEL "LOUCURA"

. UMA SOCIEDADE SEM "EXTRAV...

. O MUNDO DOS ANIMAIS

. A CRISE NO OCIDENTE

. O POVOADO PRÉ-HISTÓRICO D...

. AS INTRIGAS NO BURGO (Vil...

.arquivos

. Fevereiro 2018

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Março 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

.favorito

. COSTA V.S MERKEL

. MANHOSICES COM POLVO, POT...

. " Tragédia Indescritível"

. Sejamos Gratos

. OS NOSSOS IDOSOS

. CRISTO NO SOFRIMENTO

. NOTA PRÉVIA DE UM LIVRO Q...

. SEMPRE A PIOR

. MEDINDO RIQUEZAS

. A LÁGRIMA FÁCIL

.mais sobre mim

.pesquisar

 
blogs SAPO

.subscrever feeds

Em destaque no SAPO Blogs
pub