Sexta-feira, 29 de Março de 2013

DEMOCRACIA REPRESENTATIVA EM CAUSA!

vicentejorgesilva
A crise chegou à democracia

21 February 09 12:00 AM
 
Num recente debate no Instituto de Defesa Nacional, António Vitorino fez duas críticas ‘indirectas’ ao Governo e ao seu partido, o PS. Propôs «reformas profundas» na Justiça, onde «temos um problema de ineficácia e inadequação do sistema perante as necessidades da vida actual». E preconizou uma «revisitação à democracia representativa», tendo em conta a «incapacidade actual do sistema de partidos».
As propostas de Vitorino são generalidades sem nenhuma originalidade particular: todos os dias se podem ouvir coisas idênticas, provenientes dos mais variados quadrantes – tal como as ouvimos da parte dele, noutras ocasiões. Mas terem sido feitas no momento em que as fez é politicamente muito significativo.
António Vitorino recusou por duas vezes o lugar de secretário-geral do PS, que lhe fora oferecido numa bandeja dourada, depois das abdicações de António Guterres e Ferro Rodrigues. A aura de ‘eterno desejado’ concedeu-lhe o estatuto de principal éminence grise socialista, comentador permanente da RTP como contrapeso a Marcelo e, ainda, sumo-sacerdote das Novas Fronteiras, o ritual litúrgico com que o PS celebra a ‘abertura à sociedade’ por altura dos períodos eleitorais.
Vitorino trocou a política activa pela advocacia de negócios, mas nunca descurou a sua principesca esfera de influência no interior do PS: joga fora e dentro, está próximo de Sócrates – que supostamente o venera – mas numa posição suficientemente altiva e distanciada para assegurar um espaço próprio. Por isso, seja o que for que diga – e apesar das suas infinitas cautelas para evitar especulações semelhantes às que Marcelo suscita –, Vitorino é sempre objecto de um intenso voyeurismo e as suas palavras são escrutinadas como premonições que um vidente consagrado extrai da sua bola de cristal.
Ora, por pouco e vaguíssimo que seja, aquilo que Vitorino agora disse é suficiente para nos interrogarmos sobre o significado político do seu timing, quando o caso Freeport voltou a abalar a credibilidade do sistema judicial e no momento em que José Sócrates volta a ser consagrado, por uma nova votação esmagadora, líder socialista.
Acrise da Justiça reflecte-se e ‘encaixa’ na crise da democracia representativa – e nem o Governo nem o PS se podem considerar estranhos a nenhuma delas. Não serão, decerto, culpados únicos – até porque a crise da democracia representativa ou das próprias instituições judiciais é uma realidade que atravessa todas as formações partidárias e ultrapassa, largamente, as fronteiras nacionais. Mas o mal-estar que sentimos hoje no país, dramatizado pela crise global em que inevitavelmente mergulhámos, fragiliza de forma alarmante a confiança nas instituições nucleares do Estado de direito democrático – como são o sistema de Justiça e o sistema de partidos. Ora, essa fragilização afecta particularmente o PS e o seu Governo, apesar da actual maioria absoluta de que dispõem no Parlamento.
Tão cauteloso em medir o alcance das suas palavras, Vitorino acaba, afinal, por ser um expressivo porta-voz desse mal-estar que também corrói o PS. Mesmo que ele o não diga ou deixe sequer subentendido, o que verificamos com crescente nitidez é que o PS se tornou refém da sua própria maioria absoluta, de um poder que já não consegue gerir democraticamente por ser pesado demais para os seus ombros, nestes tempos de crise generalizada que ninguém soube prever.
O unanimismo em torno de Sócrates e a falta de concorrência à liderança não são sinais de força, mas de fraqueza, anemia e incapacidade de promover o debate democrático interno (o qual, aliás, é encarado com suspeitas inquisitoriais). É certo que não se trata de uma realidade verdadeiramente nova, pois o horror ao vazio também fez com que Guterres e o próprio Ferro Rodrigues tivessem sido eleitos para líderes por percentagens decididamente anormais num partido pluralista. Mas nunca a cegueira do poder, a incapacidade de ver para além do próprio umbigo, se revelaram tão constrangedoras.
A dissolução da pluralidade partidária nunca chegou a um ponto como este, em que o calculismo táctico e o cinismo dos comportamentos individuais eliminam toda a hipótese de um debate fecundo e de uma efectiva abertura à sociedade, segundo o que seriam os propósitos das Novas Fronteiras capitaneadas por António Vitorino. Aliás, quando um intelectual de formação sólida como Augusto Santos Silva se transforma numa caricatura grotesca de Jorge Coelho (ao confessar o seu gozo de «malhar» em dissidentes e opositores, na linha do célebre «quem se mete com o PS, leva» de Coelho), poucas dúvidas parecem restar acerca do efeito triturador dos pequenos poderes partidários e governamentais sobre as mentalidades supostamente mais educadas.
José Sócrates advertiu, há dias, contra os riscos do proteccionismo. São, de facto, riscos suplementares que ameaçam a economia global nestes tempos de crise sem precedentes. Acontece apenas que a economia é global, mas as democracias são ainda nacionais – e, muitas vezes, como no caso português, essencialmente paroquiais. A tentação do proteccionismo é irracional e tende a agravar ainda mais a crise. Mas à falta de uma democracia global – e de esforços consequentes para promovê-la – os Governos nacionais, sobretudo os dos países mais ricos, são pressionados pelos respectivos eleitorados a proteger os interesses imediatos daqueles de cujo voto dependem, como vemos hoje, por exemplo, no Reino Unido, na França ou na Alemanha (apenas para citar os casos europeus mais relevantes).
Na senda da crise económica mundial está a chegar a crise da própria democracia, tal como a temos conhecido. E Portugal é, para além dos temores do proteccionismo económico que nos penaliza, um pequeno exemplo de democracia em crise, sobre o qual precisamos de reflectir. Urgentemente.
 
Publicadopor vicentejorgesilva |
publicado por luzdequeijas às 12:10
link | favorito
Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

.Fevereiro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28


.posts recentes

. O CONCEITO DE SERVIÇO PÚB...

. MUDAR SÓ POR MUDAR.

. CENTRO DE DIA DE QUEIJAS

. ALMOÇO MUITO INDIGESTO

. FUMO BRANCO E NEGRO

. ENDIVIDAMENTO PÚBLICO E P...

. A POLÍTICA COR-DE -ROSA

. OS QUATRO IMPÉRIOS

. O ASSOCIATIVISMO

. DOUTOR DA MULA RUÇA

. A CLASSE MAIS CASTIGADA

. AS VITIMAS DA CIGARRA

. O NOSSO ENTARDECER

. A SACRALIDADE DA PESSOA H...

. SABER TUDO ACERCA DE NADA

. A NOSSA FORCA

. A MORTE ECONÓMICA

. GERAÇÃO DE OURO

. OS TEMPOS ESTÃO A MUDAR

. SEDES DE RENOVAÇÂO “

. 200 000

. DO PÂNTANO A SÓCRATES

. O ESTADO PATRÃO

. A MENTIRA

. O SILÊNCIO DOS BONS

. ARMAR AO PINGARELHO

. ENSINO À DISTÂNCIA

. A CIÊNCIA DO BEIJO

. A VERDADE PODE SER DOLORO...

. COSTA V.S MERKEL

. PROTEGER O FUTURO

. RIQUEZA LINCUÍSTICA

. A MÃO NO SACO

. DOUTRINA SOCIAL CRISTÃ

. GRANDE SOFRIMENTO

. IMAGINEM

. LIBERDADE COM SEGURANÇA

. COSTA CANDIDATO

. DEBATES PARTIDÁRIOS NA TV

. NA PÁTRIA DO ÓDIO

. PORTUGAL, UM PAÍS DO ABSU...

. NÓS, NÃO “PODEMOS”

. CIVILIZAÇÃO Pré-histórica...

. AS REGRAS DA VIDA REAL

. UMA SAUDÁVEL "LOUCURA"

. UMA SOCIEDADE SEM "EXTRAV...

. O MUNDO DOS ANIMAIS

. A CRISE NO OCIDENTE

. O POVOADO PRÉ-HISTÓRICO D...

. AS INTRIGAS NO BURGO (Vil...

.arquivos

. Fevereiro 2018

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Março 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

.favorito

. COSTA V.S MERKEL

. MANHOSICES COM POLVO, POT...

. " Tragédia Indescritível"

. Sejamos Gratos

. OS NOSSOS IDOSOS

. CRISTO NO SOFRIMENTO

. NOTA PRÉVIA DE UM LIVRO Q...

. SEMPRE A PIOR

. MEDINDO RIQUEZAS

. A LÁGRIMA FÁCIL

.mais sobre mim

.pesquisar

 
blogs SAPO

.subscrever feeds

Em destaque no SAPO Blogs
pub