Terça-feira, 1 de Janeiro de 2013

É DIFÍCIL SER LIBERAL EM PORTUGAL

Carlos Abreu Amorim *

 

Interrogo-me, muitas vezes, acerca das razões que dificultam a existência efectiva de um pensamento liberal em Portugal. Até conheço muita gente que se diz liberal.

 

Mas, salvo algumas honrosas excepções, transmitem-me a sensação que se trata apenas de uma afirmação de princípio, abstracta, indeterminada e propositadamente ambígua, ocasionalmente, seguida de um mais do que irritante aviso: “ Mas, atenção, também sou a favor do social “, dando voz à visão “ politicamente correcta “ da pretensamente lendária e feroz oposição entre as ideias liberais (selvagens , frias e egoístas) e as preocupações de índole social (bondosas, caridosas e altruístas, isto é, “ humanas”.

 

Pior ainda, são os que se afirmam liberais mas constantemente confundem liberalismo com uma espécie de “ snobismo “ sobranceiro, e não apenas no plano no plano intelectual. Falo de pessoas com responsabilidades, entre nós, na inclusão das ideias liberais numa espécie de beco ideológico, vagamente esotérico, como se fosse um conhecimento apenas alcançável por um conjunto restrito de iluminados previamente iniciados em misteriosas práticas de raízes anglo-saxónicas.

 

Mas a grande questão é saber se existe uma oposição de princípio entre as tradicionais formas de estar e ser português e o núcleo duro da ideologia liberal. Se partirmos do pressuposto que o liberalismo assenta numa visão integral do indivíduo, numa particular concepção da interligação deste com o mundo e numa clara delimitação do papel do Estado face às pessoas e às instituições, podemos chegar a conclusões desconfortáveis.

 

Numa primeira análise, obviamente superficial, existe um percurso existencial colectivo em Portugal que se confronta com os valores da Liberdade e da Responsabilidade e favorece o dirigismo, a desculpabilização, o conforto da subjugação, enfim, a remissão de todos os nossos pecados para uma entidade que hoje é o Estado.

 

Daí, decorre o parâmetro comportamental mais relevante nos portugueses, independentemente do seu grau de cultura política, que é o medo da mudança, o pânico da alteração dos seus paradigmas existenciais, ainda que nos seus pormenores mais mínimos. Para além daquilo que diz ser, todo o bom português se sente um conservador no mais íntimo do seu ser.      

 

Melhor do que ninguém, os políticos notaram essas características. Raríssimos são os que se assumem como liberais ou reconhecem o peso dos valores liberais em algumas das suas iniciativas – mesmo quando estas são de um liberalismo evidente.

 

Veja-se o presente Governo. No caso RTP, nos contratos da função pública, nos institutos públicos, ainda que as suas propostas sejam marcadamente “ liberais “, ai de quem afirmar essa impiedosa expressão para definir essas iniciativas!

 

Com temor de má palavra, refugiam-se em argumentos exclusivamente pragmatistas, fugindo a uma elaborada e segura argumentação política e ideológica.

 

A consequência é que, sem o suporte da ideia, aos olhos do observador comum, essas acções podem parecer desgarradas, precipitadas e, até caprichosas.

 

Tenho a esperança de que tudo isto seja, principalmente, uma questão de geração.

 

Noto, por todo o país a formação expontânea de grupos de acção e discussão liberais, protagonizados por gente nova nos modos, e nas ideias, e na forma de serem portugueses.

 

Destaco, como exemplo, para além daquele que ajudei a fundar, o movimento “Causa Liberal”, que faz adivinhar um futuro mais confiante para a divulgação das ideias liberais em Portugal. 

 

O segundo artigo que se transcreve, em minha opinião está muito bem escrito, e parece-me que defende pontos de vista muito defensáveis.

 

Na realidade julgo ser possível conciliar as técnicas de gestão e economicistas mais “ evoluídas “ com uma certa preocupação do “ social “ .

 

Mas não é bem esse o meu objectivo, pelo que corrigirei sempre qualquer desvio, no sentido de aprofundar o conhecimento geral do significado de certas palavras e expressões no entendimento da nossa população.

“PAÍSES QUE DESCOLARAM, NÃO SEGUIRAM AS RECEITAS NEOLIBERAIS DAS INSTTITUIÇÔES DE BRETTON WOODS “

 

                                          Semanário 31 Maio 2002

publicado por luzdequeijas às 15:05
link do post | comentar | favorito

.Fevereiro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28


.posts recentes

. O CONCEITO DE SERVIÇO PÚB...

. MUDAR SÓ POR MUDAR.

. CENTRO DE DIA DE QUEIJAS

. ALMOÇO MUITO INDIGESTO

. FUMO BRANCO E NEGRO

. ENDIVIDAMENTO PÚBLICO E P...

. A POLÍTICA COR-DE -ROSA

. OS QUATRO IMPÉRIOS

. O ASSOCIATIVISMO

. DOUTOR DA MULA RUÇA

. A CLASSE MAIS CASTIGADA

. AS VITIMAS DA CIGARRA

. O NOSSO ENTARDECER

. A SACRALIDADE DA PESSOA H...

. SABER TUDO ACERCA DE NADA

. A NOSSA FORCA

. A MORTE ECONÓMICA

. GERAÇÃO DE OURO

. OS TEMPOS ESTÃO A MUDAR

. SEDES DE RENOVAÇÂO “

. 200 000

. DO PÂNTANO A SÓCRATES

. O ESTADO PATRÃO

. A MENTIRA

. O SILÊNCIO DOS BONS

. ARMAR AO PINGARELHO

. ENSINO À DISTÂNCIA

. A CIÊNCIA DO BEIJO

. A VERDADE PODE SER DOLORO...

. COSTA V.S MERKEL

. PROTEGER O FUTURO

. RIQUEZA LINCUÍSTICA

. A MÃO NO SACO

. DOUTRINA SOCIAL CRISTÃ

. GRANDE SOFRIMENTO

. IMAGINEM

. LIBERDADE COM SEGURANÇA

. COSTA CANDIDATO

. DEBATES PARTIDÁRIOS NA TV

. NA PÁTRIA DO ÓDIO

. PORTUGAL, UM PAÍS DO ABSU...

. NÓS, NÃO “PODEMOS”

. CIVILIZAÇÃO Pré-histórica...

. AS REGRAS DA VIDA REAL

. UMA SAUDÁVEL "LOUCURA"

. UMA SOCIEDADE SEM "EXTRAV...

. O MUNDO DOS ANIMAIS

. A CRISE NO OCIDENTE

. O POVOADO PRÉ-HISTÓRICO D...

. AS INTRIGAS NO BURGO (Vil...

.arquivos

. Fevereiro 2018

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Março 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

.favorito

. COSTA V.S MERKEL

. MANHOSICES COM POLVO, POT...

. " Tragédia Indescritível"

. Sejamos Gratos

. OS NOSSOS IDOSOS

. CRISTO NO SOFRIMENTO

. NOTA PRÉVIA DE UM LIVRO Q...

. SEMPRE A PIOR

. MEDINDO RIQUEZAS

. A LÁGRIMA FÁCIL

.mais sobre mim

.pesquisar

 
blogs SAPO

.subscrever feeds