Domingo, 14 de Setembro de 2008

O DIREITO À INDIGNAÇÂO

luzdequeijas

 
Não haverá um português que não tenha ouvido este grito de revolta, saído da boca de um alto membro da nomenclatura política portuguesa ! Em determinados momentos, opta-se pelo silêncio que só é criticado a Manuela Ferreira Leite e PSD. Muito estranho ! Há procedimentos insistentes que nos empurram para tal indignação !
 
A vida é um jogo e a política outro jogo. Temos ainda os jogos "Tradicionais", que pairam na memória dos cidadãos mais velhos . Este tipo de jogos varia de região para região e possui um significado de natureza mágico-religiosa. Também proporcionam estudos diversificados no âmbito da História, da Historiografia, da Psicologia, da Sociologia, da Pedagogia, da Etnografia e da Linguística, entre outros. Chegados aqui, vamos falar do jogo da “Tracção à Corda”. Tantos puxam de uma extremidade da corda e outros tantos da outra. Tem, normalmente um vencedor. O vencido acaba humilhado e caído no chão!
 
Esta é a situação que se vive no Portugal de hoje. Abrem-se duas filosofias de vida e governação e cada uma puxa para seu lado. Não falemos ainda de vencedores nem de vencidos, mas sim das suas crenças e motivações !
Está lançado o “mote”, que recai num momento da nossa história, carregado de sintomas de um conjunto de forças laicistas, que estendem com obstinação o conceito de laicidade, transformando-o num laicismo que se afirma com os contornos de uma religião laica. As duas filosofias uma do PS quer impor ao povo a sua visão do mundo e outra do PSD que escuta a sabedoria do passado e das pessoas actuais, (mais moderada) só decidindo com respeito por elas.
Este governo e PS, enfeudado numa maioria absoluta que lhe caiu do céu, está a lidar mal com ela. Pior ainda, servem-se dela para mexer no tecido social. Isso é muito complicado. São os que querem "medidas fracturantes", na sociedade ! Que querem, aborto, divórcios, segurança " prafrentex", casamentos homosexuais, etc. Correm sempre em frente mas não sabem para onde vão. Os outros ( milhões), têm de segui-los, sem saber para onde vão.
 
Debaixo de uma engenharia social programada. Silênciosa e perigosíssima!
 
À beira de eleições legislativas é tempo de os dois partidos definirem esta situação nos seus programas eleitorais, claramente, e a bem de uma unidade que o país precisa, elencarem um acordo de que em matéria social ( pessoas/famílias ) só podem alterar esta legislação, com 2/3 dos votos na AR. As duas visões têm de se consertar. Altere-se a Constitiução. Porque não ?
 
Por outro lado, a Igreja não desistiu de inspirar a sociedade com os grandes valores evangélicos, inspiradores da dignidade da pessoa humana, do justo sentido ético da existência, elemento importante no caldear do nosso quadro cultural. Tem isto inscrito no código genético do pais que somos, enquanto não nos descaracterizarem em absoluto.
 
Neste debate há palavras chave, de significação alargada e evolutiva, tais como: laicidade, laicismo, dimensão secular, secularização, secularismo, modernidade, etc. Procuremos definir somente o sentido de laicidade e laicismo, os dois a puxar do mesmo lado da corda e teremos :
a)      Laicidade - Ela propõe a dessacralização do mundo e de todas as componentes da sociedade, que têm em si mesmas uma dignidade e um sentido, sem precisarem de o definir a partir do divino. No âmbito do Concílio Vaticano II falou-se de “autonomia das realidades terrestres”.
b)      Laicismo. Os “ismos” indicam um uso abusivo de uma dimensão defensável. Porque a laicidade, sobretudo em relação ao Estado, se afirmou ao longo de um processo dialéctico, muitas vezes recusado pela Igreja, que via nela uma ameaça à fé como atitude inspiradora do sentido de todas as coisas, os defensores da laicidade atacaram a Igreja considerando-a travão ao progresso, rejeitaram a ordem própria da fé, procuraram bani-la da sociedade, constituindo uma vivência laica, que fundamenta a moral, inspira as leis, regula o viver comum da sociedade, tornando-se uma sabedoria laica, substituta da religião que, quando não foi proibida e perseguida, foi relegada para o estrito âmbito do privado e pessoal, sem direito a expressão na cidade.
 
c)   A Igreja – Está a puxar na outra extremidade da corda e não pode, em
nome do respeito pela laicidade, renunciar a uma visão do Homem, do mundo e da sua história, inspirada na criação e na presença de Deus .       
 
Para lá destes dois conceitos, existe uma outra realidade, com uma cultura própria, uma história de grandeza mundial, que se chama Portugal. Para a entendermos é preciso conhecê-la mesmo antes de ela existir, ou seja, de Portugal se tornar independente. Nesta realidade se sente com grande profundidade que a igreja católica, os cruzados, os templários, a ordem de Cristo e Deus estiveram sempre com Portugal na sua independência, nos campos de batalha, nos descobrimentos, até hoje . Faz parte da alma dos portugueses e, por isso, os seus sinais, mundialmente conhecidos e respeitados, estão inscritos na nossa bandeira e brasão.
 
Este é o “Jogo da Tracção à Corda” e das suas duas pontas, que está a retirar energias ao combate que Portugal tem de travar para se manter no mundo dos países mais desenvolvidos e respeitados. Não faz sentido fazer desta luta ideológica o pomo da nossa discórdia, quando o tempo tudo cura e tudo esclarece. Faz sentido, sim, darmos as mãos no real objectivo de unir a pátria que temos, de a prover de um sentido colectivo que somos todos nós portugueses, caminhando para uma vida digna e não virtual e isenta dos valores que cimentam todo este continente Europeu, que tentamos integrar de facto. Não sem a fé cristã ! Não faz sentido!
 
O símbolo de Cristo feito Homem que, na cruz, levámos pelo mundo, não devia ser retirado de hospitais, escolas, repartições etc. Poderia não se incentivar a sua colocação, no respeito pelas duas tendências, mas retirar é de facto querer dar ao Homem uma dimensão que não tem ! Por factores vários o seu poder, por causas que não domina, pode ficar à mercê da impotência, do pânico e da fome. Até mesmo do fim dos tempos. Por esta fraqueza que é humana, é absurdo retirar crucifixos das paredes, pois , isso levará a “sine die” eles serem, também, retirados da nossa bandeira. Se isso acontecer vamos substituí-lo por quê ou por quem? Pelo abstracto? É um erro . A tolerância pratica-se não se exibe !
No jogo da Tracção da Corda, experimentadas as forças, o melhor é deixarem que haja um empate. Se todos ficarem de pé, ninguém será humilhado. Até podem dar as mãos. Isto, no mometo em que famosos cientistas procuram as origens do universo e para lá chegarem, sabem que a chamada "Particula de Deus" pode e deve ser a causa imediata da enorme quantidade de partículas e forças do universo ! Até da gravidade !
 

António Reis Luz

publicado por luzdequeijas às 16:32
link do post | comentar | favorito
|

.Relógio

.Contador

Design Logos

.Agosto 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


.posts recentes

. MUDAR SÓ POR MUDAR.

. CENTRO DE DIA DE QUEIJAS

. ALMOÇO MUITO INDIGESTO

. FUMO BRANCO E NEGRO

. ENDIVIDAMENTO PÚBLICO E P...

. A POLÍTICA COR-DE -ROSA

. OS QUATRO IMPÉRIOS

. O ASSOCIATIVISMO

. DOUTOR DA MULA RUÇA

. A CLASSE MAIS CASTIGADA

. AS VITIMAS DA CIGARRA

. O NOSSO ENTARDECER

. A SACRALIDADE DA PESSOA H...

. SABER TUDO ACERCA DE NADA

. A NOSSA FORCA

. A MORTE ECONÓMICA

. GERAÇÃO DE OURO

. OS TEMPOS ESTÃO A MUDAR

. SEDES DE RENOVAÇÂO “

. 200 000

. DO PÂNTANO A SÓCRATES

. O ESTADO PATRÃO

. A MENTIRA

. O SILÊNCIO DOS BONS

. ARMAR AO PINGARELHO

. ENSINO À DISTÂNCIA

. A CIÊNCIA DO BEIJO

. A VERDADE PODE SER DOLORO...

. COSTA V.S MERKEL

. PROTEGER O FUTURO

. RIQUEZA LINCUÍSTICA

. A MÃO NO SACO

. DOUTRINA SOCIAL CRISTÃ

. GRANDE SOFRIMENTO

. IMAGINEM

. LIBERDADE COM SEGURANÇA

. COSTA CANDIDATO

. DEBATES PARTIDÁRIOS NA TV

. NA PÁTRIA DO ÓDIO

. PORTUGAL, UM PAÍS DO ABSU...

. NÓS, NÃO “PODEMOS”

. CIVILIZAÇÃO Pré-histórica...

. AS REGRAS DA VIDA REAL

. UMA SAUDÁVEL "LOUCURA"

. UMA SOCIEDADE SEM "EXTRAV...

. O MUNDO DOS ANIMAIS

. A CRISE NO OCIDENTE

. O POVOADO PRÉ-HISTÓRICO D...

. AS INTRIGAS NO BURGO (Vil...

. O REGRESSO AOS VALORES

.arquivos

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Março 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

.favorito

. OS NOSSOS IDOSOS

. CRISTO NO SOFRIMENTO

. NOTA PRÉVIA DE UM LIVRO Q...

. SEMPRE A PIOR

. MEDINDO RIQUEZAS

. A LÁGRIMA FÁCIL

. LIÇÕES PARA QUÊ?

. POR QUE OS PIORES

. UM DIREITO CONSTITUCIONAL...

. A GRANDE MUDANÇA

.mais sobre mim

.pesquisar

 
blogs SAPO

.subscrever feeds